Cosmopolita e Histórica

Cosmopolita e Histórica

Totalmente conectada com sua cultura histórica, Berlim oferece diversão e passeios multiculturais.

343
0
COMPARTILHE

Por padrões históricos, Berlim é uma cidade jovem. Foi fundada por comerciantes itinerantes como assentamento gêmeo da cidade de Cölln durante o último quarto do século XII. A primeira menção histórica às cidades apareces em documentos cívicos em 1244.

Desde a reunificação alemã, Berlim surgiu como uma capital do design moderno em expansão – atrai empreendedores criativos de todo o mundo com seu estilo de vida eclético e vibrante. Talvez por sua jovialidade, há na cidade sempre muito o que se fazer. Em qualquer dia, todos os dias do ano, é possível encontrar uma variedade de eventos, entretenimento e cultura.

Em 2006, a capital alemã foi oficialmente designada “Cidade do Design” da UNESCO, a primeira cidade da Alemanha a ser incluída na “Rede de Cidades Criativas” organizada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). Além disso, na cidade há cerca de 180 museus e 440 galerias, que expõem trabalhos artísticos significativos de épocas passadas e também da promissora arte contemporânea.

CICATRIZES HISTÓRICAS

Ao mesmo tempo que a cidade mistura arte e cultura, museus e teatro, vida noturna e diversão numa uma atmosfera única de energia e vibração, Berlim é muito tranquila, sem trânsito ou correria. As pessoas são extremamente educadas e gentis, sendo que as cicatrizes históricas contribuem para as características de sua população, um povo que lembra tanto desses fatos trágicos da história mundial como se fosse para garantir que eventos como esses não se repitam.

Fazer um passeio histórico por Berlim é fundamental para conhecer e entender melhor a história dessa cidade que teve e tem um papel fundamental para o mundo. A cidade representa o novo, o antigo e o imemorial para os alemães.

Muita coisa aconteceu no local nos últimos 80 anos: guerra, destruição, derrota, separação, reunificação, reconstrução e renovação.  Berlim passou por tudo isso e evoluiu. A cidade é uma mistura de prédios e monumentos antigos e históricos com construções de arquitetura moderna. Mas não só em termos de arquitetura a cidade mudou.  Com a queda do muro, Berlim se abriu, ficou mais acessível e tornou-se multicultural, onde as mais variadas línguas, hábitos e culturas são encontradas. Lá podem ser encontradas mais de 150 nações.

PATRIMÔNIO CULTURAL MUNDIAL

As cinco casas da Ilha dos Museus compõem um conjunto arquitetônico mundial, que é um dos patrimônios da UNESCO. Uma das melhores coleções de pinturas e esculturas do século 19. Séculos se abrigam hoje na Antiga Galeria nacional. O Museu Pergamon (Pergamon Museum) brilha com preciosos tesouros antigos como o altar de Pérgamo, a porta do mercado de Mileto e o portal de Ischtar da Babilônia. A exposição permanente do Antigo Museu (Altes Museum) abrange a arte e as esculturas dos gregos, romanos e etruscos. No Novo Museu (Neues Museum), restaurado em sua maior parte, encontra-se a coleção do museu egípcio com o mundialmente famoso busto da rainha Nefertiti. A arte bizantina do Museu Bode (Bode Museum) também pode fascinar os visitantes.

PASSEIO PELA HISTÓRIA

Próximo a Ilha dos museus, uma visita ao Museu Histórico Alemão (Deutsches Historisches Museum) se transforma em uma viagem no tempo através de 2.000 anos de história alemã. O Museu Judaico de Berlim (Jüdisches Museum Berlin), cuja construção nova e peculiar é um exemplo fascinante da arquitetura contemporânea, mostra a presença e a tradição judaica alemã. O dia a dia do socialismo pode ser vivenciado no Museu da RDA (DDR Museum).

Também na região fica a Catedral de Berlim, com suas cúpulas verdes e uma fachada marcada pelas balas das grandes guerras mundiais. No lado esquerdo da Catedral, um parque convida o turista a se juntar aos berlinenses e passar uma tarde de verão deitado sobre o imenso gramado apreciando a vista.

Do outro lado da Catedral, o turista pode e deve fazer um dos passeios de barco oferecido. O passeio leva uma hora e mostra a cidade por um ângulo mais exclusivo, passando pelo parlamento alemão, chancelaria e alguns clubes que estão localizados a beira do rio.

Depois, volte caminhando até a praça onde se localiza a Torre de Televisão e escolha um dentre os diversos vendedores do autêntico cachorro quente alemão que por ali circulam para fazer um lanche.

ARTE CONTEMPORÂNEA

A arte contemporânea assim como os trabalhos de Andy Warhol e Joseph Beuys são expostos no museu Hamburger Bahnhof. A Galeria Berlinense é dedicada à arte moderna e contemporânea de Berlim. O Museu da Arte Natural (Museum für Naturkunde) abriga o maior esqueleto de dinossauro do mundo e permite a recriação dos tempos primitivos por meio de simulações computadorizadas.

No Museu Tecnológico Alemão (Deutsches Technikmuseum), as tecnologias novas e antigas são explicadas de forma clara especialmente para as crianças. Exposições temporárias de cunho internacional podem ser vistas no edifício Martin Gropius, uma construção imponente no estilo renascentista italiano. No Fórum de Cultura, a Galeria de Pinturas mostra umas das coleções de pintura europeia mais significativas do mundo com obras de todas as épocas. A Nova Galeria Nacional ao lado, uma construção de vidro projetada por Mies van der Rohe, é o cenário apropriado para exposições espetaculares e a coleção de arte moderna.

Em frente ao castelo Charlottenburg encontra-se a coleção Sammlung Scharf-Gerstenberg com arte surreal. No Museu Bröhan (Bröhan Museum) situado em frente, é possível obter uma autêntica impressão da art nouveau, art decó e do funcionalismo. O vizinho Museu Berggruen (Museum Berggruen) apresenta obras de Pablo Picasso, Paul Klee e Henri Matisse.

GALERIA E SALAS DE EXPOSIÇÃO

Com aproximadamente 440 galerias e cerca de 3.000 exposições, Berlim é líder europeia no cenário da arte. Cerca de 6.000 artistas nacionais e estrangeiros são apresentados nas galerias de Berlim em mais de 57.000 metros quadrados de área de exposição. Existem também cerca de 200 showrooms e estandes não comerciais que apresentam suas exposições regularmente.

O cenário mais antigo de galerias de Berlim se estabeleceu ao redor da praça Savignyplatz. A área ao redor da rua Auguststraße é o coração do centro do distrito de galerias. As atenções se voltaram para a cidade em 2012 com a reabertura da antiga Escola para meninas judias (Jüdische Mädchenschule), que permaneceu vazia durante anos, como ponto de cultura, arte e gastronomia.

Nas áreas do antigo editorial Tagesspiegel na rua Potsdamer Straße no Tiergarten, várias galerias se juntaram. A arte também é exibida em lugares peculiares. A  Igreja Santa Inês (St. Agnes Kirche) em Kreuzberg, por exemplo, foi reconstru e reaberta como centro de exposições para a arte jovem. Além da Semana da arte de Berlim (Berlin Art Week) realizada desde o outono de 2012 em setembro, uma união de várias feiras e instituições de arte e cultura, a Gallery Weekend realizada no final de abril reúne mais de 50 galerias participantes do maior evento de arte de Berlim.

Berlim abriga ainda a maior galeria a céu aberto do mundo, a Eastside Gallery, um pedaço do muro de Berlim que foi usado por artistas para expor seus sentimentos. A Galeria tem 1,4 quilômetros de extensão e é um dos pontos mais visitados de Berlim, além de representar um impulsionamento na economia da cidade, com o licenciamento de suas obras para souvenirs.

CERVEJA E GASTRONOMIA

Por ser talvez a cidade mais cosmopolita da Europa, Berlim possui restaurantes – e cervejarias – que agradam todos os paladares.

Mas algumas iguarias devem ser provadas por quem está a passeio pela cidade. Uma delas, imperdível, é o famosos Currywurst, um salsichão bem apimentado, que é servido com generosa porção de batatas fritas em diversas esquinas de Berlim e consumido como refeição por todas as classes. Em média, um Currywurst e uma long neck de cerveja alemão saem por cinco euros nesses locais.

Também não tem como passar pela cidade e abrir mão de comer um Schnitzel – uma vitela de porco bem fina feita “à milanesa” e crocante. O Schnitzel é também servido com batatas fritas e merece estar acompanhado de uma cerveja. Procure pelo restaurante da cervejaria alemã Augustiner e deixe-se encantar pelo prato com a cerveja da casa.

Se você estiver em um grupo pequeno e conseguir se organizar com antecedência, reserve uma noite no Atelier Gastronômico da brasileira Sabine Hueck. A paulistana vive em Berlim há mais de duas décadas e traduz a renovação da cozinha alemã. Ela criou o “atelier”em uma sala no térreo do edifício onde mora para testar suas criações e escrever seus livros de receita, mas deu tão certo que o espaço é frequentados por políticos, empresários e outros grupos que queiram privacidade aliada a boa gastronomia e local descontraído. Sabine atende somente grupos fechados – o ideal é não mais de 10 pessoas, onde as pessoas participam da criação de seus pratos e depois que são servidos podem ficar a vontade para conversar sobre o futuro da humanidade.

Outro lugar que precisa de reserva antecipada é o restaurante localizado no alto da Torre de Televisão. Para um jantar romântico a mais de 300 metros de altura, com vista de 360 graus da capital alemã. Mas procure fazer a reserva somente se for viajar no verão europeu, pois nas noites de inverno dificilmente você conseguirá ver alguma coisa lá do alto.

COMÉRCIO

Berlim possui os horários de funcionamento mais liberais da Alemanha. Na principais ruas comerciais, quase todas as lojas ficam abertas de segunda-feira a sábado das 10h às 20h, podendo ainda ficar ainda mais tarde em alguns dias da semana.

Com poucas exceções (aeroportos, estações e alguns comércios) todas as lojas fecham no domingo. Em um total de oito domingos, incluindo dois domingos do advento, as lojas podem funcionar das 13h às 20h.

 

Shopping – O Bikini Berlim é o primeiro Concept Mall de Berlim, com muitas marcas internacionais e outras nem tão conhecidas. São diversos “boxes”que são locados para as marcas que querem estar presentes neste espaço. Algumas estão lá permanentemente e outras passam apenas temporadas mostrando seus produtos.

Friedrichstrasse – A rua que ficava no lado oriental nos tempos em que Berlim estava dividida é um dos endereços principais de comércio e compras de luxo. Nela se encontra-se, inclusive, uma filial da Galeria Lafayette. Descendo até o subsolo da Galeria Lafayette há uma passagem que liga a outros prédios, como o Quartier 206, com diversas outras marcas elojinhas.

Alexanderplatz – Nessa rua se encontra a Galeria Kaufhof, uma das mais famosas e visitadas de Berlim, com marcas de roupas, calçados, perfumaria, bebidas, acessórios e outros. E, próximo dela, também está uma filial da Saturno, loja com 4 andares especializada em eletrônicos.

BERLIM DE BIKE

Se quiser um programa diferente em Berlim, tire um dia para visitar a cidade de bicicleta. Contrate um guia e alugue uma bike – o aluguel por 24 horas custa em média 12 euros. Peça para o guia fazer um passeio diferente pelos lugares mais frequentados pelos berlinenses, você vai se surpreender e não verá as horas passarem.

Roteiro – Inicie a tarde pedalando até o Tempelhof, aeroporto construído durante o regime nazista e que teve suas atividades encerradas em 2008 tranformando-se em um enorme – e organizado – parque. Ali o espaço foi cuidadosamente dividido entre aqueles que praticam esportes radicais e famílias que queiram fazer um calmo churrasco no gramado.

Saindo do parque, inicie a pedalada de volta passeando por entre charmosas ruas de pequenos bairros de moradia da cidade e, por um instante, sinta-se como se estivesse em pequenos vilarejos alemães. Aproveite o percurso – Berlim respeita os ciclistas e os carros sempre darão a preferência para quem está usando este meio de locomoção: mesmo que vocë não esteja na ciclovia terá a preferência de passagem.

Prossiga o passeio pelos pontos históricos, visitando o Parlamento, Portão de Brandeburgo, Museu do Holocausto e o Tiergarten, que ficam na mesma região.

Depois peça ao seu guia para visitar uma das muitas feiras de artesanato local e o Neuer Markt, uma espécie de Mercado Público da cidade, que é considerado pelos berlinenses o lugar mais bonito da Europa.

 

Sem comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

*