Doutores a Tecnologia

Doutores a Tecnologia

590
0
COMPARTILHE

Três jovens, três vivências, histórias e atuações diferentes, mas com alguma coisa em comum: o espírito empreendedor que mudou suas vidas com empresas que fazem de Joinville uma referência nacional quando o assunto é ciência e conhecimento

 

Por Marcela Mayrinck  Fotos Pablo Teixeira

 

capa[01

 

Que o mercado da tecnologia, com seus aplicativos, serviços digitais e gestão de empresas está cada vez mais em alta, muitos já sabem. Elton Luís Minetto, Anderson de Andrade e Vinícius Roveda fundaram e comandam, respectivamente a Code Rockr, A2C e ContaAzul, corporações que se destacam no cenário brasileiro, possuem clientes nacionais e internacionais e fazem de Joinville um destino procurado por profissionais de diversas áreas.
Quem pensa que por se tratar de empresas voltadas para informática e tecnologia o perfil das pessoas que ali trabalham é apenas de experts em computadores e softwares avançados, se engana. Nas três empresas observamos trabalhadores de vários nichos, como publicidade, administração, jornalismo, designer gráfico e, claro, programadores e analistas de sistemas. A diversidade no quadro de funcionários, informalidade no ambiente de trabalho e seriedade na prestação de serviços deve-se, entre outras razões, ao perfil dos chefes, que são pessoas jovens com ideias novas todos os dias e pensamento voltado para o futuro.

 

Deixando sua marca

capa[02
“Decidi continuar em Joinville, pois me apaixonei pela cidade, devido à qualidade de vida e também pela tendência em investir em  tecnologia”
Elton
Natural de Chapecó, Elton Luís Minetto veio parar em Joinville para participar de uma startup – empresa de tecnologia em fase de testes – em 2008 e, ao final do projeto, montou uma sociedade com o parceiro André Espeiorin, que veio a se tornar a Code Rockr. “Depois da fase dessa startup decidi continuar em Joinville, pois me apaixonei pela cidade devido à qualidade de vida e também pela tendência em investir em tecnologia”, conta Elton, que, embora tenha planos de aumentar seu negócio, não pretende se mudar da cidade dos príncipes.
A paixão pela tecnologia está no sangue, pois desde criança lia sobre computadores e tinha na matemática sua matéria preferida na escola. Ao se inscrever para o vestibular, a única opção de curso foi Ciência da Computação: “Para mim, não tinha outra maneira. Ou era isso, ou era isso”. Seu primeiro contato com a tecnologia foi através dos videogames, rádios e carrinhos de controle remoto; eventualmente abria os aparelhos para estudar sua estrutura. “Meu pai brigava comigo porque sempre ficava faltando uma peça quando eu remontava”, brinca. Já a primeira experiência com computador foi aos 17 anos, mas logo aprendeu a usar e abusar da ferramenta e no início da faculdade já fazia estágio na área e passava o tempo todo inserido no mundo informatizado. Hoje, com 36 anos, possui na bagagem, além da graduação em Ciência da Computação, uma pós com o mesmo nome, MBA em Gestão de Projetos e seis meses de experiência na IBM, nos Estados Unidos, onde participou da produção de um de seus livros.
Na Code Rockr, um dos primeiros aplicativos criados foi o iCarros, do banco Itaú, que trouxe retorno positivo e o levou a continuar no ramo de aplicativos, principal serviço oferecido pela pela empresa. Elton conta que no início a maior dificuldade foi mostrar aos clientes e público alvo os benefícios e vantagens desses recursos, mas hoje vibra com o crescimento do mercado de smartphones, tablets e similares e já elabora softwares para clientes internacionais. “Isso popularizou o acesso e a utilização desses equipamentos, por isso estamos colhendo, desde 2013, os frutos do que plantamos quatro anos atrás”, diz. Para entender melhor, a Code Rockr trabalha com iPhone, Android, tablets, web e seus gestores têm estudando a possibilidade de elaborar aplicativos para TV também. Aliás, a palavra inovação está incutida na rotina de Elton, que explica, de forma divertida, a razão da palavra “rock” no nome da empresa. Foi em um churrasco, enquanto conversavam, que chegaram à conclusão de que programadores são tão artistas quanto os roqueiros, principalmente no sentido de quebrar paradigmas e trazer inovações.
Como a mente a mil por hora, o empresário não se limita à Code Rockr, organiza seu tempo de forma a conseguir dar aulas e palestras e escrever livros. Entre os títulos publicados por ele estão o “Frameworks para Desenvolvimento em PHP”, “Grid Computing in Research and Education”, do qual é coautor, e os e-books “Zend Framework” e “Zend Framework 2”.
Na vida pessoal, Elton tem ainda mais motivos para comemorar, pois está esperando a chegada de sua primeira filha, em agosto. “Sei que tudo vai mudar, vai ser bem diferente. Uma experiência nova a cada dia”, diz o empresário, que tenta aproveitar as poucas horas livres para ficar ao lado da família.
Ao falar do futuro, não hesita, se diz realizado mas consciente do caminho que ainda tem a seguir: “Cresci bastante e ainda tenho mais para crescer, tanto na vida profissional quanto na pessoal. São desafios novos e estou curtindo bastante”. Apesar de passar boa parte do tempo lidando com internet, o programador alerta para que os jovens, principalmente, saibam separar a vida digital da real e evitem muita exposição nas redes sociais.

 

Pensando Grande

 

capa[03

“Sonhar pequeno e sonhar grande dá o mesmo trabalho. Então, por que sonhar pequeno?” Vinícius
Foi a determinação para estudar Ciência da Computação que trouxe Vinícius, dono da ContaAzul, para Joinville há 16 anos. Sempre ligado a tecnologia, buscou de pólos de desenvolvimento de softwares e boas escolas, e Joinville preencheu seus requisitos nos dois campos. Do Rio Grande do Sul para a cidade catarinense, sua vida começou a mudar rapidamente e logo no início da faculdade conseguiu trabalho na área. “Comecei como programador na parte técnica, depois me tornei responsável por liderar equipes e até cheguei a cuidar da parte comercial de um dos lugares em que trabalhei”, detalha Vinícius, que já na época sentia a necessidade de fazer algo diferente.
Em 2008 decidiu analisar o mercado brasileiro de softwares e, apesar de se deparar com um setor consolidado, percebeu uma lacuna no atendimento a pequenas empresas: “A qualidade desse tipo de serviço não era boa e o custo era muito alto, o que dificultava o crescimento dos pequenos empreendedores”. Inspirado em modelos da Nova Zelândia, Estados Unidos e Austrália, o jovem, hoje com 32 anos, resolveu investir nesta esfera. Mas o sucesso não veio tão rápido e no primeiro ano não houve retorno. Vinícius teve que recuar, se reorganizar e abrir outro negócio, voltado para projetos de criação de programas. Ainda sem grandes resultados, não se contentou e retomou os planos de oferecer um produto que visasse dar suporte a micro e pequenas organizações. Sentindo a necessidade de agregar conhecimento às suas tentativas, Vinícius e seus parceiros participavam de vários eventos em São Paulo, e em um deles conheceram os donos de uma empresa americana especializada em selecionar startups com alto potencial e prestar o auxílio necessário para que elas cresçam. Como as “aceleradoras” – nome dado a essas corporações – ainda não são comuns no Brasil, a próxima parada foi em Mountain View, nos Estados Unidos: “Ficamos superfelizes por termos sido selecionados, ouvíamos dizer que era mais difícil entrar ali do que em Harvard”, comemora o empresário, cuja filha, na época, tinha apenas três meses de idade. Ele conta que pensou muito e, sabendo que aquela era uma oportunidade única e que seu bebê estaria em boas mãos – com a esposa -, partiu para o desafio, que durou quatro meses e, para ele, foi a constatação de que tudo é possível e palpável.
Na volta para casa, a ideia ainda era tocar o negócio em Joinville. Vinícius conta que recebeu muitos conselhos para investir em São Paulo, mas optou por ficar em Santa Catarina porque sempre acreditou no potencial da cidade e na capacidade dos profissionais da região. “A qualidade de vida e cultura joinvilense acabam atraindo as pessoas para vir trabalhar aqui”, ressalta. A ContaAzul nasceu em 2011 e vem cumprindo bem o objetivo de orientar pessoas jurídicas de forma online no controle de gastos, vendas, estoque e nota fiscal eletrônica. Com grande carteira de clientes e a marca de principal case de software de serviços focado em business to business do Brasil, o jovem empresário quer ir mais longe e alcançar o título de maior companhia brasileira de gestão de micro e pequenas empresas até 2023. “Sonhar pequeno e sonhar grande dá o mesmo trabalho. Então, por que sonhar pequeno?”, defende Vinícius, que além da experiência nos Estados Unidos, tem formação em Ciência da Computação, especialização em Gestão de Produtos e MBA em Gestão Empresarial.
O espírito jovem afeta positivamente o dia a dia na Conta Azul, com seus cerca de 80 funcionários que trabalham com espírito de equipe e cooperação, segundo o sócio. “Está surgindo uma nova geração de empresas, mais humana, com melhores relações entre pessoas e sem hierarquia”, diz Vinícius, que divide seu mês entre São Paulo e Joinville e faz questão de aproveitar o tempo livre com a esposa e a filha que hoje tem três anos.

 

Perseverança

 

capa[04

“As pessoas não falam: ‘Agora vou consumir publicidade digital’. Elas simplesmente consomem, é automático”
Anderson
Com sede em Joinville, uma filial em São e Paulo e outra em Brasília, Anderson de Andrade cruzou um árduo caminho para chegar onde está e atender clientes de abrangência nacional e internacional, como a BRF, 3M, Bunge e Tecnisa.
À frente de uma das maiores agências digitais independentes do país, a A2C, Anderson está em Joinville há 16 anos, atuando no mercado de marketing e desenvolvimento digital. Formado em Administração com ênfase em Marketing e com dois MBAs (Gestão Empresarial e Marketing Digital), o empresário de 36 anos saiu de casa ainda jovem em busca de uma vida melhor, pois as perspectivas na zona rural de São Borja, cidade do estado gaúcho onde nasceu, não ofereciam condições de estudo e progresso profissional. “Na minha casa não tinha energia elétrica, antena de TV e nem água encanada, fazia 12 quilômetros, muitas vezes a pé, para ir e voltar da escola em estrada de terra vermelha”, conta Anderson, que começou a escrever aos 5 anos de idade e, aos 13, foi para o centro de São Borja com o objetivo buscar melhores oportunidades e ajudar a família.
Com quatro mudas de roupa e nenhum dinheiro, seu primeiro emprego foi de faxineiro, mas logo conseguiu o cargo de motoboy em uma floricultura, onde trabalhava cerca de 70 horas semanais. Foi quando fez seu primeiro curso, por correspondência, de auxiliar de escritório e passou a prestar também serviços bancários para seu então chefe.  Pouco tempo depois e com muita insistência, Anderson fez curso de computação, estudando da meia-noite às 6 da manhã, três dias por semana. Como não tinha recursos, pagava os estudos limpando a escola. Apesar da fome, sono e cansaço sempre presentes no seu dia a dia, tinha muita facilidade para absorver o aprendizado e logo foi convidado para ser monitor e, em seguida, promovido a instrutor. Portanto, aos 17 anos, passou a ganhar um salário cinco vezes maior, e aos 18 comprou seu primeiro carro.
Ainda assim Anderson queria galgar mais degraus e trocou São Borja por Joinville, onde trabalhou por dois anos no setor comercial de um cursinho de informática. Em 1998 deu início ao próprio negócio, mas não teve sucesso e, ao se ver em situação de falência, tinha dois caminhos: se encaixar no mercado com funcionário ou se tornar um empreendedor. Decidindo pela segunda alternativa, foi estudar Administração, o que, segundo ele, serviu de aprendizado não só profissional, mas principalmente como ser humano. A maior consequência desse crescimento é a A2C, que ganhou o Prêmio Talentos Empreendedores, em 2007, e tem levado o nome de Joinville para o mundo. “Acredito que tudo que temos no universo é nosso. Vai da iniciativa de cada um aproveitar e transformar”, desabafa, brincando que, entre as tantas dificuldades que enfrentou, tinha duas opções: vencer ou vencer. Uma das portas que se abriram foi o convite para representar a delegação de empresários brasileiros no IndiaSoft, um dos maiores eventos voltados para software do mundo, que acontece na Índia. Anderson diz que a experiência foi fantástica, onde pode conhecer e admirar a humildade e persistência do povo indiano.
Além de dirigir a agência, é presidente da Associação Brasileira dos Agentes Digitais (ABRADi) e cofundador do Clube dos Autores, editora responsável pela publicação de 10 % dos livros lançados no Brasil e dona do Prêmio Global de Inovação, de Londres. Em sua agenda, garante que arranja tempo para estar com a família todos os finais de semana, pois nas segundas e terças-feiras fica em Joinville, passa as quartas e quintas em São Paulo e na sexta está de volta a Blumenau, cidade onde “mora” atualmente.  “Consigo me organizar de forma a ter três dias de final de semana”, ressalta Anderson, que aproveita qualquer tempo livre para correr – motivo pelo qual leva sempre na mala um par de tênis e shorts – e ler. Determinação, conhecimento e relações humanas são os três pontos levantados por Anderson como lema de vida. “Mas meu propósito mesmo é inspirar pessoas a realizar sonhos”, diz.

 

Elton Luís Minetto

capa[05
36 anos de experiência em montar e desmontar aparelhos eletrônicos, mexer em computador, trabalhar com programação e criar softwares que são usados por milhares de pessoas mundo afora. Trocou Chapecó por Joinville e hoje é sócio da Code Rockr, amante de rock ‘n’ roll e está esperando ansiosamente pela chegada de sua primeira filha.

 

Vinícius Roveda

capa[06
Aos 32 anos, nunca teve dúvida do que queria fazer. Seu espírito inquieto o trouxe de Passo Fundo a Joinville para estudar Ciência de Computação. Depois de abrir dois negócios e aprender com os erros, lançou a ContaAzul e ainda vê muitos desafios adiante. No tempo livre tenta se livrar dos computadores para curtir a família.

 

Anderson de Andrade

capa[07
Aos 36 anos se vê realizado pessoal e profissionalmente, mas nem pensa em parar. Natural de São Borja, no Rio Grande do Sul, Anderson dirige a A2C, preside a Associação Brasileira dos Agentes Digitais e é cofundador do Clube de Autores. “Mora” em três cidades e ainda consegue ter três dias de fim de semana, ao lado da esposa e filha.полигон оооЛобановскийqliktechноутбук интелреклама в интернете ценыgoogle статистика поискапродвижение сайтов в поисковые системыTopodinранец школьный ортопедический для девочек купить украина

COMPARTILHE
Artigo anteriorPerigo oculto
Próximo artigoPaixão e Movimento

Sem comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

*