Ideia Tamanho Grande

Ideia Tamanho Grande

Em entrevista à Premier, o co-fundador da joinvilense Sizebay conta como a startup revolucionou o modo de comprar roupas pela internet no Brasil.

160
0
COMPARTILHE

Comprar roupas e calçados na internet pode ser um transtorno ou gerar insegurança no consumidor. Isso é o que indica uma pesquisa da rede social de byMK, que afirma que 37% os consumidores desistem de fechar o pedido em um e-commerce por causa de dúvidas sobre o caimento da peça ou por não conhecerem suas próprias medidas. Além disso, 56% se sentem desconfortáveis por não poderem ver e experimentar o produto antes da compra, segundo dados do Buscapé.

Para mudar esse cenário, a startup joinvilense Sizebay criou uma ferramenta que determina o tamanho ideal para cada peça e está disponível para prova nos sites de grande lojas virtuais como Centauro, Riachuelo e Netshoes.

Na hora de usar a ferramenta, que serve como um provador virtual, o cliente precisa informar o sexo, altura, peso, idade, além de indicar a modelagem do corpo (mais ou menos o formato do busto, cintura e quadril, visível e ajustável em um desenho), e o algoritmo informa o tamanho e como será o caimento da peça — se mais larga ou mais apertada.

A startup, que hoje a única brasileira a oferecer esse tipo de serviço. foi criada em 2014 pelo consultor de negócios digitais e designer Janderson Araujo, pelo especialista em gestão Marcelo Motta Bastos, e pela gerente de projetos Patrícia de Castro Araujo. Em entrevista à Premier, Araujo conta um pouco do surgimento do negócio e comenta sobre a ascenção do e-commerce no segmento de modas brasileiro.

Revista Premier: Como surgiu a ideia da Sizebay?

Janderson Araujo: A Sizebay surgiu a partir da ideia de três pessoas: do Marcelo, minha e da Patrícia. O Marcelo e eu trabalhávamos em uma agência de publicidade, na época ele era meu chefe.  Quando ele comprou uma roupa pra esposa dele e essa roupa não serviu, ele comentou comigo e perguntou se eu não tinha alguma ideia pra mudar isso. Como eu era responsável pelo planejamento digital, gostava muito de tecnologia e era designer por formação, passei a trabalhar junto com ele para entender o processo de compra pela internet.  Fizemos uma série de entrevistas com o auxílio da minha esposa Patrícia, que ainda não integrava oficialmente o time, mas que acabou aproveitando o período de licença maternidade para realizar essas pesquisas e eventualmente se tornou nossa sócia. Foi a Patrícia quem inscreveu a gente em alguns concursos. Entre eles, fomos premiados num edital do Senai em 2013 e em 2014 formalizamos a empresa com aporte de cerca de 200 mil de um investidor-anjo

Revista Premier: Como funciona a distribuição da plataforma e como tem sido a recepção dela no mercado desde a sua fundação até agora?

Janderson Araujo: A distribuição da Sizebay acontece por meio do nosso time de vendas. Temos um “Inside sales”, ou seja, um processo de vendas que contempla contatar as empresas, identificar quais são e como são os e-commerces dos potenciais clientes e criar ferramentas para identificar quais tem mais aderência ao nosso produto para então fazer o contato com essas empresas no processo comercial normal.

No começo, atraímos empresas com perfil mais disruptivo e inovador, mas à medida que fomos conseguindo os primeiros clientes isso foi atraindo os próximos. Um marco da nossa história foi quando conquistamos a Riachuelo, isso em 2016. Foi a partir daí que as empresas médias e grandes começaram a vir. Hoje estamos em mais de 170 clientes. Somos a solução número um desse tipo no Brasil. Concorremos com três outras empresas no segmento mundial, mas no Brasil somos únicos.

Revista Premier: O mercado de moda pela internet está aquecido? Como a ferramenta de vocês pode contribuir para a popularização segmento de e-commerce?

Janderson Araujo: Sim. O mercado de moda na internet cresce bastante, é o principal segmento hoje em número de vendas. Ele não é o maior segmento em faturamento porque as peças de rotação são mais baratas do que outras peças como, por exemplo, computadores, geladeiras ou celulares. Mas é o mercado que mais vende. E é o mercado que mais cresce justamente porque se você entrar num shopping você vai ver que tem a quantidade de lojas de roupa versus a quantidade outras lojas. É uma conta fácil de fazer. Então existe um forte segmento de mercado mesmo. E a tendência é a mesma no segmento de e-commerce, o único setor da economia que cresce mesmo com a economia descendo. Isso é um desafio enorme pra essas lojas e a gente tem ajudado melhorando as taxas de conversão e permitindo que os consumidores possam ter uma experiência mais parecida com aquela que eles teriam na loja física, já que muitas pessoas deixam de comprar porque não podem experimentar o produto.

Revista Premier: Que tipo de público a Sizebay tem captado como cliente e como a empresa tem auxiliado nesses cases?

Janderson Araujo: Os clientes são os mais variados. A Sizebay trabalha com tamanhos então a gente vai do PP ao GG. Desde lojas menores com faturamento menor, até o maior e-commerce do Brasil que é Netshoes e outras de porte grande como a Zatini, Renner e Centauro. A gente auxilia na conversão porque geralmente as pessoas deixam de comprar se não conseguem experimentar a peça, mas com a ferramenta da Sizebay isso não acontece e os consumidores e compram mais. Quem utiliza a nossa ferramenta converte até cinco vezes mais, ou seja, a chance do cliente comprar é cinco vezes maior do que alguém que não acessou o site que possui Sizebay.

A gente aumenta também o ticket médio das lojas, ou seja, quem usa Sizebay compra produtos mais caros e também compra mais produtos, isto é, aumentamos a quantidade unitária de itens na venda e também o valor dessas vendas. Além disso, conseguimos diminuir a taxa de devolução desses e-commerces em até 30%. Afinal, se a pessoa compra do tamanho certo ela não precisa devolver.

Revista Premier: Como essa recepção positiva impactou nos resultados e no desenvolvimento da empresa no mercado?

Janderson Araujo: Os resultados tem sido muito bons e isso é proporcional aos clientes que conquistamos e os cases que consolidamos com os números que mostramos como resultado. No começo muita gente tinha dúvida, mas logo provamos o nosso desempenho em resultados concretos e ter uma penetração de mercado se tornou muito fácil. Hoje estamos no momento de internacionalização com a busca de investidores lá fora e começando a expandir os nossos serviços para o exterior também. Já temos clientes na França, nos EUA, na Romênia… e por aí vai.

O nosso serviço tem contribuído para que e-commerces de todo o mundo se popularizem justamente porque a gente tem permitido que pessoas que não comprariam por medo de não experimentarem os produtos tenham essa experiência facilitada de compra.

Sem comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

*