Você pode produzir mais quando trabalha menos.

Você pode produzir mais quando trabalha menos.

214
0
COMPARTILHE

Darwin, Fleming, Jobs, Hemingway, Einstein, Dali e outras pessoas extraordinárias tem uma coisa em comum, a habilidade de usar a criatividade e resiliência para solucionar problemas difíceis. Está é a conclusão de Alex Soojung-Kim Pang, no seu livro “Rest” (Descanso em Português).

A criatividade vai além das belas artes e das propagandas publicitarias; e a resiliência é muito mais que aguentar, pacientemente, que os problemas do dia-a-dia não interfiram no seu bom humor.
A criatividade e resiliência são uma forma de destreza mental que ajuda, em muito, as nossas vidas.
Estudos depois de estudos demonstram os benefícios de adotar práticas criativas para reduzir stress, depressão e elevar a produtividade.

A questão é saber, como desenvolver a criatividade e a resiliência no ambiente de trabalho. Principalmente porque estas duas qualidades são consideradas as mais importantes moedas corporativas do mundo de hoje e para os próximos 20 anos. Se o seu time é formado por pessoas pouco criativas ou com pouca resiliência, cuidado! Você está vivendo nos anos 50 ou 80.

Para ajudar você e seu time desenvolverem estas capacidades, Mr Pang busca identificar alguns padrões que pessoas criativas e com alta resiliência possuem. Aqui vão algumas deles:

A primeira delas é o cochilo. Sim, senhores. Cochilar é uma importante habilidade que as pessoas criativas possuem. O cochilo nada mais é que uma reação do cérebro que diz ao corpo que precisa de um tempo. Interessantemente, enquanto nós cochilamos os nossos cérebros continuam trabalhando nos problemas que estávamos tratando. Este era o método de Einstein e Aristóteles. Einstein até criou seu método de cochilo para resolver seus problemas geniais. Segundo o cientista, “um cochilo perfeitamente cronometrado, com o tempo adequado, pode fazer maravilhas para o seu cérebro”.

A segunda característica é o trabalho focado por tempo determinado, principalmente nas primeiras horas do dia. Segundo estudos, o nosso cérebro consegue focar em temas complexos por não mais que 4 horas. Assim, o cochilo faz todo o sentido quando associado a tarefas complexas. Entretanto, o nosso cérebro consegue permanecer longas horas fazendo trabalho repetitivo e de pouco produtividade – e isto incluí e-mails, mexer em Apps, reuniões, telefonemas, e outras maravilhas da vida corporativa.

Acordar cedo. Pode parecer estranho, mas pessoas criativas gostam de horários certos e agendas. Darwin e o famoso Mark Twain acordavam as 5 da manhã para trabalhar todos os dias. A razão por detrás deste comportamento está associada ao conceito de priorizar atividades e, independentemente das situações alheias, saber gerenciar o tempo de forma mais efetiva e com menor interferência. Por exemplo, enquanto pessoas comuns chegam no escritório e logo começam a mandar e-mails, ler noticias, ter reuniões e a se ocupar de tarefas pouco complexas. Pessoas criativas fazem o oposto, as primeiras horas do dia são destinadas aos trabalhos complexos.

Andar e se exercitar. Isto não quer dizer malhar. Pitágoras, Steve Jobs e Fleming (criador da penicilina) utilizaram de caminhadas para debater problemas e encontrar soluções. Jobs era famoso por ter reuniões enquanto andava. Este comportamento é apoiado por estudos recentes que demonstram que o processo de caminhar é mais efetivo para desenvolver a criatividade e resiliência do que querer desenvolver ambas sentado.

Por fim, dormir bem e se desconectar dos afazeres. Nada mais improdutivo que atender telefonemas de trabalho durante fins de semana, ou reprimir suas horas de sono. Por mais antagônico que isso possa parecer, Mr. Pang demonstra, por meio de estudos e pesquisas, que você pode produzir mais quando você trabalha menos.

Portanto, não se sinta estranho em implementar estas dicas, o futuro é reservado as pessoas mais aptas às demandas vindouras. E neste mundo de tecnologias e crescentes desafios não convencionais, a criatividade e a resiliência são qualidades de grandes profissionais.

Sem comentários

DEIXE UMA RESPOSTA