Relacionamento que gera Negócios

Relacionamento que gera Negócios

Com credibilidade e relacionamento, o casal de empresários Fernanda e Wagner Silva trilham sua história de sucesso no segmento moveleiro de luxo em Joinville

563
0
COMPARTILHE

Um casal que fez da credibilidade uma maneira de empreender. É essa a impressão que Fernanda e Wagner Silva deixam ao falarem sobre a parceria que construíram nos negócios e na vida.

O relacionamento, que existe há 10 anos, foi do profissional para o pessoal e após dois filhos juntos se tornou uma coisa só. Ambos atuavam numa empresa de destaque da indústria moveleira em Joinville e tinham como foco o crescimento na área de vendas. Quis o destino que se encontrassem e fizesse do desejo deles o mesmo. “Nós dois temos os mesmos objetivos de vida. Os dois quiseram e ainda querem crescer. Isso é o mais importante, pois não adianta compartilhar uma vida se os dois não compartilham o mesmo sonho”, afirma Fernanda.

Trilhando o sucesso

Se hoje o êxito do casal é compartilhado, a história nem sempre foi assim, como recorda Wagner. “Cheguei na cidade em 2004, sem nada. Vim para trabalhar como estoquista de uma fabricante de colchões. Como não tinha condições de pagar aluguel, durante os seis primeiros meses morei no depósito da loja”.

O empresário, que nasceu em Itajaí, seguiu na luta até ter recursos para poder alugar um quarto na cidade. Quase um ano depois, uma nova oportunidade surgiu. “Como eu sempre corri muito atrás dos meus objetivos, acabei sendo chamado para cobrir a folga de um vendedor da loja e nessa oportunidade acabei vendendo para o gerente de RH de uma empresa concorrente, mas também muito conceituada”.

O gerente de RH da empresa viu em Wagner o potencial para a área comercial e, por isso, pediu que ele lhe enviasse um currículo. “Enviei e logo depois ele me chamou. Trabalhei nessa empresa durante dois anos como supervisor de vendas, viajando junto com os representantes e ajudando-os a fechar negócio”.

Foi nesse momento que o empresário decidiu que era hora de mudar o rumo da profissão. “Percebi que precisava direcionar os meus esforços para o meu próprio sucesso, porque eu sempre ajudava os vendedores a venderem mais, mas no final das contas eram eles que ganhavam bem e tinham comissão, enquanto eu tinha uma remuneração fixa e mais baixa”.

A partir dessa decisão, Wagner deslanchou como representante comercial e estabeleceu em definitivo sua trajetória na área de vendas. “Trabalhei durante um ano como representante de uma marca de colchões de Jaraguá do Sul. Foi nessa época que conheci a indústria moveleira onde depois vim a trabalhar e onde permaneci durante os 12 anos seguintes”.

Para o empresário, foi a experiência na indústria moveleira de luxo que o trouxe até aqui e formou seu perfil empreendedor. “Nesse tempo todo, eu aprendi muito e amadureci minha visão de negócio. Posso dizer que domino muito esse segmento, onde construí muitos relacionamentos. Sempre corri atrás para ser o número um de vendas da empresa no Brasil”.


Mudança de rumo

Foi somente no ano passado, após uma reestruturação comercial da empresa, que Wagner decidiu que era hora de empreender por conta própria. “Saí da empresa e junto com a Fernanda me associei ao grupo Movdecor, do Fernando e da Cláudia Kersting, um casal de empresários paranaenses”.

A sociedade vingou e o grupo hoje possui seis lojas no sul do país e exterior, sendo duas no Paraguai e as demais no estados do Paraná e Santa Catarina. Em Joinville, a Movdecor está presente desde novembro de 2016, com a representação da moveleira italiana de luxo Natuzzi e mais recentemente com a inauguração do showroom da marca SCA de ambientes planejados.

União de forças

Fernanda, que vê hoje no negócio com o marido a realização de um sonho, diz que nem sempre teve em mente a carreira como empresária de sucesso. “Sou administradora de empresas por formação e trabalhei alguns anos nessa área em outras companhias, então o meu sonho na época era ser uma grande executiva”.

Segundo ela, trabalhar no comércio nunca foi um objetivo profissional. “Na época eu trabalhava numa grande empresa e acabei pedindo para me desligar porque não era aquele rumo profissional que eu buscava. Foi quando surgiu essa oportunidade comercial na área moveleira. Não pensava em trabalhar no comércio, mas as vezes por necessidade ou porque as coisas acontecem, a gente precisa embarcar no que a vida oferece”.

Mesmo insegura sobre os rumos da carreira, Fernanda abraçou a oportunidade de mudança. “Mudei de setor e a tentativa graças a Deus deu certo. Nessa empresa eu sempre estive entre as melhores profissionais de venda. Foi nela também que eu conheci o Wagner e a grande maioria das pessoas que hoje são nossos clientes”, conta.

Sonho de empreender

No mesmo lugar onde Wagner prosperou Fernanda pôde entender o público do segmento moveleiro de alta decoração e onde a empresária começou a vislumbrar o sonho de empreender. “Foi nessa empresa que eu tive contato com o público e passei a entender do negócio. Eu comecei de baixo e consegui ir subindo e passando por todos os departamentos.

Isso pra mim é muito bacana, porque eu comecei como vendedora e hoje recebo essas mesmas pessoas na minha própria loja”.

O sonho de Fernanda acabou se tornando o mesmo do esposo. “O Wagner acabou abraçando a ideia, mesmo sendo a intenção dele crescer na área de vendas. Com o passar do tempo nós construimos um plano e concordamos na hora certa que a melhor decisão era empreender por nós dois”.

Marcas de peso

A decisão de apostar em representações na indústria moveleira de luxo em Joinville pareceu lógica para o casal. “Investir nas marcas SCA e Natuzzi veio da nossa vontade em permanecer nesse mercado, principalmente por já termos o know-how especializado nesse segmento. Buscamos primeiro a representação da Natuzzi e posteriormente, com o nosso ingresso no Grupo Movdecor, veio também a representação da SCA”, explica Fernanda.

Para Wagner, o que mais pesou na escolha pelas marcas foi a credibilidade e reconhecimento no mercado. “A Natuzzi foi escolhida por ser uma referência mundial há 57 anos. Oferece produtos italianos de excelência, cuja diversidade e qualidade não eram encontradas aqui em Joinville. Já a SCA, que está no mercado brasileiro há 50 anos, nos garantiu operações bem-sucedidas nas lojas de Curitiba e Foz, então resolvemos trazer o negócio para cá também”, revela.

Embora o peso das marcas tenha sido fundamental para a decisão, o casal fez questão de pesquisar os produtos e o mercado antes de assumirem a representação das marcas SCA e Natuzzi. “Pesquisamos muito, mas da mesma forma, sabemos que as marcas também pesquisam seus representantes para garantir a qualidade do serviço e do nome. É uma troca de ambos os lados, que estão muito preocupados em zelar pela credibilidade”, argumenta Fernanda.

Gestão x administração

Embora o casal trabalhe junto para o sucesso do negócio, tanto Wagner quanto Fernanda acreditam que seus perfis como empresários são distintos. “Me vejo como um empresário do tipo mais estratégico: sei ganhar dinheiro e fazer o negócio funcionar, mas a Fernanda é a administradora. É ela quem mantém a nossa saúde financeira”, explica Wagner.

Fernanda concorda e acrescenta: “Minha formação é administração, então é natural pra mim querer cuidar do negócio e acompanhar a saúde financeira dele. Acredito que tenho sim um ‘pézinho’ na área de relacionamento, até porque foi nessa área que eu comecei, mas tenho uma maior preocupação com o desempenho das finanças”.

Com personalidades diferentes, as diferenças acabam aparecendo. “Cada um puxa mais para o seu lado. O Wagner quer sempre investir no negócio e sonha alto, eu já tento dar uma segurada para não dar um passo maior do que a empresa pode, mas a gente segue tentando manter o equilíbrio. Se eu seguro demais, ele me puxa, se ele avança demais, eu seguro ele”, ressalta a empresária.

Além de se esforçar para manter o equilíbrio, o casal segue um lema para a parceria pessoal e profissional dar certo: “Conversa de trabalho, discutimos no escritório”. Na opinião de Fernanda essa é uma questão muito bem definida para manter a harmonia da família e do negócio. “Qualquer problema que vai interferir na dinâmica familiar ou que vai gerar algum tipo de discussão, a gente deixa para conversar no escritório. Ambos sabem que assunto profissional se discute na empresa e que pessoal se discute em casa”, garante.

Compromisso com o nome

O networking é um dos pilares do negócio dos empresários e uma das principais razões atribuídas ao êxito profissional. “Acreditamos que muito do sucesso que tivemos nos negócios foi em razão do espaço que conquistamos na cidade. Essa questão do relacionamento fez e faz a diferença. Sempre prezei por isso e por cumprir o que prometia.  Esses são os pontos chave do meu relacionamento com os clientes”, garante Wagner.

Para Fernanda, a credibilidade é fundamental. “A gente valoriza muito isso. Antes de trazer qualquer coisa para ser vendida, a gente avalia muito a procedência e a qualidade do produto, pois sabe que é o nosso nome que está em jogo”, avalia.

Wagner acredita também que seu “olho para os negócios” ajudou a construir a reputação do casal como referência para mobiliário. “As maiores construtoras do sul do Brasil sempre me procuravam para comprar comigo. Nesses casos, é a credibilidade e a seriedade que prevalecem, principalmente porque são negócios grandes”.

Segundo ele, o excelente relacionamento com os fornecedores, sócios e arquitetos também contribuíram. “No mercado como um todo somos muito respeitados, principalmente por todo o nosso tempo de atuação”.

Prova do reconhecimento do mercado é o negócio recentemente fechado com o primeiro hotel da rede Hilton no sul do país. “Fechamos o fornecimento para 153 apartamentos, que serão totalmente mobiliados por nós”, comemora Wagner.

Mercado joinvilense

Fernanda aponta outro fator fundamental para a credibilidade do casal no segmento: a relação com a cidade de Joinville. “Eu sou joinvilense e acredito muito na minha cidade. Acho que temos aqui um poder aquisitivo muito grande, que só precisa ser trabalhado devidamente. Tentamos incentivar o comércio local, para que as pessoas prestigiem o que é daqui e estimulem a economia da cidade. Tem quem diga que é ‘chique’ comprar fora, mas chique mesmo é prestigiar a cidade e fazê-la crescer”.

Nesse aspecto, Wagner faz uma relação do mercado local com o de outras cidades onde o casal possui negócios. “Em Joinville, se lida muito com pessoas. O cliente gosta de conhecer e conversar com o dono, de saber quem está à frente do negócio e, por isso, valoriza o relacionamento com o comerciante local. Já em cidades como Curitiba e Assunção, por exemplo, o cliente compra e você não sabe quem ele é”, pondera.

Para o empresário, esse é um estímulo para investir na cidade. “Poucos empresários do segmento de luxo apostam na cidade. A maioria mantém a loja em Joinville somente pela presença da marca aqui. Eu, por outro lado, vejo a cidade como um mercado extraordinário.  Sempre tive várias pessoas aqui que me ajudaram e apostaram em mim, então sou muito grato a isso e à cidade”.

Futuro e estabilidade

Wagner afirma que o ano de 2017 tem sido desafiador, mas mesmo com a recessão, os negócios tem se mantido ilesos. “O ano que passou já foi difícil, mas conseguimos passar por ele. Da mesma forma, se passarmos por 2017 sem prejuízos estaremos comemorando. Estamos apostando muito nas novas lojas e não estamos fechados a novas propostas, mas a ideia é fazer o negócio aqui em Joinville dar certo antes de expandir mais”.

Para o empresário, a perspectiva é manter a estabilidade e rever os planos em 2018. “Algumas marcas já tem nos procurado oferecendo a representação de seus produtos, mas ainda estamos avaliando e é bem provável que só iremos falarem crescimento em 2018. Ainda assim, o plano é crescer nas cidades onde já temos operações”.

No geral, o objetivo do casal para o futuro é trabalhar e continuar fazendo o que já estão fazendo. “Foi com muito trabalho que eu e a Fernanda construímos tudo e é isso que nós prezamos: trabalho e a honestidade. Nosso trabalho vai continuar sendo árduo e vamos continuar trabalhando todos os dias para conquistar novos negócios e manter o que temos”, encerra Wagner.

магазин новогоднего освещения

Sem comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

*