Satisfação profissional que faz a diferença

Satisfação profissional que faz a diferença

1101
0
COMPARTILHE

Diretor Comercial do Perini Business Park alia crescimento pessoal e profissional

 

Por Fabiane Lima Ribeiro  Fotos Pablo Teixeira

 

capa01

 

Lidar e se relacionar com diversos setores e ainda vislumbrar novos projetos a longo prazo aqui e em outros locais. Essa com certeza não é tarefa fácil, mas é o trabalho e o cotidiano de Jonas Tilp, diretor comercial do Perini Business Park, maior condomínio multissetorial do Brasil localizado em Joinville.

Jonas, que possui 44 anos, é formado em ciências contábeis e tem especialização em Marketing, participou do negócio desde o início em 1997. Ele atuou primeiramente como prestador de serviços através de um escritório de contabilidade para a Perini Administração e Investimentos, que depois, em 1999, se converteu na Perville Engenharia e Empreendimentos S.A, responsável pela execução dos projetos do parque e de outras empresas. Foi com a Perville que Jonas participou de todo o desenvolvimento do que é hoje o Perini Business Park, “pude participar de perto de todas as negociações das empresas que hoje aqui estão ou que em algum momento passaram pelo parque”, lembra ele.

Com mais de 2,8 milhões de metros quadrados de terreno dentro do Distrito Industrial da cidade, o Perini abriga em 290 metros quadrados de área construída dezenas de empresas nacionais e multinacionais, de pequeno, médio e grande porte, possui e prevê duplicar o número de construções até 2025. O condomínio também abriga um total de 40 prestadores de serviços de 12 segmentos diferentes.

O trabalho, que ele se esforça para conciliar com a vida pessoal, é fonte de satisfação e empenho, “brinco que é a minha cachaça, porque mesmo tendo iniciado dentro do grupo na área administrativa, assim que tive a oportunidade de entender o funcionamento da área comercial, de como acontecia o relacionamento com o cliente, me apaixonei e ali fiquei”.

Como parte das funções que veio a desenvolver na Perville, onde posteriormente deixou a área da contabilidade, Jonas obteve a licença de corretor imobiliário. Segundo ele, sua história profissional se mistura a do empreendimento, “deixei de ser contador, para me tornar um contador de histórias”.

 

capa02

 

Trabalho em cadeia e evidência

Para o diretor comercial, um dos diferenciais do Perini Business Park é que ele é um condomínio empresarial multissetorial capaz de facilitar a realização de negócios internos e externos. “Aqui dentro temos empresas dos setores eletroeletrônico, metalmecânico, plástico, logístico, químico, construção civil, naval, automobilístico, agrobusiness, serviços, comércio”.

O parque está vivenciando um momento de “clusteriação”, conceito industrial que significa uma concentração de empresas que desenvolvem atividades complementares e que coabitam, formando uma cadeia de fornecimento composta por fornecedores, fabricantes, distribuidores e clientes, “o fato de você ter empresas dentro do parque fazendo negócios cria esse processo, onde você consegue obter várias etapas da cadeia produtiva gerando uma economia em escala que elimina o custo logístico da operação”.

Mas toda essa diversidade também gera a necessidade de lidar com os altos e baixos de cada segmento, “algumas vezes acontece da gestão precisar lidar com crises de um segmento específico em função de câmbio, demanda e dos diversos fatores que podem levar a uma crise. Por outro lado, existem setores que ao mesmo tempo estão comemorando os resultados e tendo seus momentos de glória”.
Tilp exemplica com o desempenho do ano de 2014 para a área automobilística, “foi fraco para o setor, porém também foi um ano espetacular para o agrobusiness. Assim, temos diversos clientes que estão comemorando o ano que passou, mas também temos os que lamentaram os resultados”.

Segundo ele, o grande desafio é tentar entender a realidade do cliente. “Quando você atua dentro de um segmento específico, para conseguir mapear o segmento, você precisa participar de uma feira do setor e assim se relacionar com o cliente. No passado já participamos de todas as feiras que aconteciam em Joinville, desde as feiras da construção civil, da metalurgia, do plástico, da logística, o que naquele momento nos auxiliou e ajudou a construir a imagem do Parque”.

Mas não é apenas com as indústrias que o parque se relaciona e por isso Jonas trabalha para identificar diferentes formas de se relacionar com públicos. “Investimos muito no relacionamento com pessoas, afinal a sociedade se constrói com elas. Estar em contato e passar a informação principalmente para as pessoas certas, faz com que essa informação vá adiante e traz novos negócios.

 

“Você percebe que precisa de muito pouco para viver e que a essência da vida está em conhecer pessoas e aproveitar o tempo que você está com elas, porque esse tempo é limitado.”

capa03

Balanço do ano

Em 2013, Perville e Perini fecharam negócio com a montadora automobilística BMW, que veio se instalar na cidade. A Perville ficou responsável pela obra do Centro de Treinamento que qualificaria os funcionários para a linha de montagem e que foi executada dentro do parque Perini. Além disso, a Perville foi escolhida para a construção da fábrica em Araquari.

Jonas conta que o fato mudou os rumos da gestão para 2014. “Diante dessa oportunidade ímpar, focamos nossas forças no empreendimento da BMW, o que significa que durante esse período não estávamos investindo em outras construções dentro do parque”. Na mesma época veio o comunicado da saída do maior cliente do parque na época, o que acarretou a devolução de uma área bastante representativa, em torno de 50 mil metros quadrados. “Dessa área que vagou conseguimos locar 36 mil metros quadrados e terminamos o ano atendendo algumas sazonalidades da operação da BMW, incluindo o centro de distribuição dos veículos que está aqui dentro”.

A população flutuante do parque, que inclui fornecedores, clientes e caminhoneiros, gira em torno de 7.500 pessoas, o que, na opinião de Jonas, favorece a economia catarinense. “O PIB de Santa Catarina é de aproximadamente 151 bilhões. Se imaginarmos que até novembro de 2014 passaram pela portaria do condomínio mais de 65 mil caminhões, vamos atribuir 100 mil reais para a carga desses caminhões, isso dá um valor de 6,5 bilhões de reais que foram transportados. Então mais ou menos 4% do PIB de SC é gerado dentro do Perini”.

Sendo assim, o balanço de 2014 foi bastante positivo para o diretor, “fechamos o ano com praticamente 300 mil metros quadrados de área construída, atendendo mais de 150 empresas e com empregados com vínculo empregatício direto em torno de seis mil”. Para encerrar o período Jonas criou seu próprio ritual, “costumo fechar o ano limpando a mesa e jogando muita coisa velha fora para abrir espaço na mente, no armário e no coração para as coisas novas que virão”.

 

capa04

 

Vida em equilíbrio

Para comentar a conciliação entre a paixão profissional e a vida pessoal, o diretor cita algo que ouviu numa palestra de Domenico De Masi na Expogestão de 2003, “ele falou de três círculos que temos na vida: o circulo do trabalho, do lazer e do estudo. Algumas pessoas tem a oportunidade de integrar trabalho com lazer. Vamos imaginar um jogador de futebol que gosta de jogar bola e esse é o lazer dele. Outro exemplo é o professor, ele estuda dentro da área onde também atua”.

Seguindo essa lógica, Jonas acredita que as pessoas conseguem ser realmente felizes quando conseguem viver dentro da integração dos três círculos. “Onde trabalho, lazer e estudos se encontram. Eu acredito que estou nesse pequeno meio, onde as três coisas se encontram. Eu tenho muito prazer de estar a frente desse projeto na área comercial, onde eu aprendo e acabo estudando”. Jonas acredita que a educação tem que ser um processo contínuo, “então no ano que passou eu fiz um curso do Instituto Brasileiro do conselho de administração, em São Paulo”. Lá e em outros cursos que realizou ele afirma ter conhecido pessoas em posição de liderança com quem constantemente troca ideias de gestão.

Além disso, para se manter estimulado e buscar novas perspectivas, Tilp realiza uma viagem internacional por ano, onde procura projetos de vida semelhantes ao dele. “Viajar é algo fundamental, porque o que acontece no mundo acaba impactando no que é local”. Ele já viajou para Estados Unidos, Itália, China, Oriente Médio em Dubai. “E em cada lugar que passei alguma nova ideia foi dada para aplicarmos aqui no nosso projeto”. No início do ano passado, Jonas inclusive se propôs a realizar os caminhos de Santiago de Compostela, conhecido trajeto de peregrinação espiritual na Espanha. Parte do percurso já foi realizad o, mas ele pretende retornar mais dois anos consecutivos para completá-lo. “Lá você percebe que precisa de muito pouco para viver e que a essência da vida está em conhecer pessoas e aproveitar o tempo que você está com elas, porque esse tempo é limitado”.

O gosto por viajar é compartilhado com sua esposa Lucinda e os filhos Nicolas e Vinicius,  “com as viagens que fazemos vamos mantendo nossos laços”. Ele afirma que a relação com a família também contribui para se manter motivado, “ter uma esposa sempre junto na educação de nossos filhos, acompanhando os passos deles faz com que eu possa produzir mais aqui dentro”.

Segundo ele, o prazer de estudar sobre aquilo que se gosta de fazer acaba tornando o ato uma forma de lazer, mas o que é aprendido também é aplicado na empresa. “No fundo não parece que você esta trabalhando e sim alimentando aquilo que em algum momento você foi alimentado. Você está divindo sua experiência”. Viajar para outros lugares também dá ao diretor perspectivas diferentes sobre o lugar onde vive e facilita o ofício diário, “É muito bom poder atender clientes que vem aqui de diferentes partes do mundo e ter que explicar para eles como é o Brasil, o estado de Santa Catarina, Joinville e a cultura daqui. Isso é tão positivo que cativa a pessoa a vir para esse lugar fazer a sua própria experiência”.

 

Planos para o futuro

Como parte do processo de trabalho dentro do Perini Business Park, Jonas participou de um curso de formação e atuou como instrutor, algo que foi um divisor de águas, “pois ali eu fui constantemente desafiado e foi onde eu aprendi que todo ano devo fazer algo por mim mesmo para que eu possa crescer como pessoa”.

Para o próximo ano o desafio de Jonas será trabalhar o aperfeiçoamento de empresários e grupos de pessoas responsáveis pela gestão na chácara que possui em Campo Alegre. “Lá consigo alojar até 30 pessoas, então a ideia é criar durante um fim de semana vários laboratórios ao ar livre que ofereçam situações de reflexão para a vida de cada um e isso que possam ser levado para dentro da empresa”.
Em relação ao parque, as expectativas são um pouco mais ousadas, “tenho muita vontade que possamos em breve desenvolver outro projeto do Perini Business Park em outra área do país”.
Acima de tudo, o desejo do diretor é amadurecer de forma saudável, “pois aprendemos que na vida muitas das coisas que nos aprisionam e que muitas vezes nos tornam doentes, são passageiras, assim como nós”.wobs ооо полигонполитик лобановский видеокамеры как узнать позицию сайта в гуглезапросы по ключевым словамКомпания JP-Studioсайт: jp-studio.ruСтепень отказовДеревянные подвесные светильники

Sem comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

*